10 dicas para não cair em 'roubadas' na hora de fazer um aluguel de temporada


Casa de luxo em Ilhabela tem 5 quartos e vista para a praia  — Foto: Reprodução/Airbnb

Casa de luxo em Ilhabela tem 5 quartos e vista para a praia — Foto: Reprodução/Airbnb

Alugar uma casa ou um apartamento para passar as férias e, ao chegar ao endereço, descobrir que a propriedade não existe, está em péssimas condições ou tem outra pessoa no lugar. Esse tipo de golpe é comum quando se vai alugar uma casa de modo completamente on-line.

A auxiliar de cozinha Kathleen Oigres passou por isso. Em 2018, ela usou o Marketplace do Facebook para encontrar um local para comemorar o fim do ano.

Na ocasião, o locador a encaminhou para uma suposta corretora e, apesar de Kathleen ter buscado pelo nome das pessoas na internet, não verificou se o estabelecimento estava cadastrado no Conselho Regional de Fiscalização do Profissional Corretor de Imóveis (Creci).

Leia também:

Foi então que o primeiro sinal de alerta apareceu. A transferência seria para a conta de uma terceira pessoa. Ao ser questionado, o locador informou que se tratava da esposa da dona da casa.

Kathleen também combinou com o locador de visitar a casa, que ficava na praia de Itanhaém (SP). Mas, para segurar a reserva, ele exigiu um valor de entrada.

Kathleen chegou a dar uma entrada para garantir a reserva da casa — Foto: Arquivo Pessoal

Kathleen chegou a dar uma entrada para garantir a reserva da casa — Foto: Arquivo Pessoal

O trâmite seguiu até que a auxiliar de cozinha foi visitar a propriedade e encontrou, na realidade, uma casa abandonada. Depois disso, quando Kathleen tentou o contato com o locador, ele já não a atendia mais e nem respondia mensagens. Neste momento, ela decidiu pesquisar o nome da pessoa para quem transferiu o dinheiro e viu que existiam várias denúncias de aluguel falso relacionadas a ela.

Sem conseguir o dinheiro de volta, Kathleen começou a divulgar na rede social que o perfil estava dando golpes, até que o anúncio foi excluído, mas ela não conseguiu o seu dinheiro de volta.

Kathleen começou a divulgar nas redes sociais que o perfil estava efetuando golpes do aluguel falso — Foto: Arquivo pessoal

Kathleen começou a divulgar nas redes sociais que o perfil estava efetuando golpes do aluguel falso — Foto: Arquivo pessoal

g1 reuniu 10 dicas para fugir dessas "roubadas" e não passar pelo o que Kathleen sofreu.

1. Ponha tudo no papel

Não dá para confiar apenas na palavra do locador. É fundamental montar um contrato com tudo o que é oferecido detalhadamente: se tem piscina, quantos quartos, qual a proximidade com a praia. Além disso, é interessante anexar fotos ao contrato, para garantir exatamente em quais condições estão os ambientes, aconselha Laudimiro Cavalcanti, diretor do Creci do Rio de Janeiro.

A biomédica Naiara Brito não fez isso e acabou perdendo seu dinheiro também. Ela fechou negócio com uma vizinha, que possui casa na praia de Mongaguá (SP). Combinando o aluguel apenas por boca, a sua família depositou o dinheiro para a proprietária e seguiu para a viagem.

Chegando no local, a casa estava em péssimas condições, suja, com mato crescendo e sendo impossível para a família permanecer lá. Como saída, Naiara e suas irmãs encontraram uma hospedagem de última hora e seus pais voltaram para a capital paulista.

Ao solicitar o dinheiro de volta, a locadora informou que não devolveria o valor completamente porque o havia usado para a limpeza da casa e a família acabou saindo no prejuízo.

Naiara alugou uma casa com a família e, ao chegar ao local, a propriedade estava em péssimas condições — Foto: Arquivo pessoal

Naiara alugou uma casa com a família e, ao chegar ao local, a propriedade estava em péssimas condições — Foto: Arquivo pessoal

2. Busque indicações

Ninguém melhor para contar como é a experiência em um lugar do que alguém que já esteve lá. Então, veja o que locatários anteriores estão falando sobre a propriedade. Eles tiveram problemas?

Em caso de plataformas de aluguéis é possível consultar o perfil do anfitrião para ver se ele é confiável, considerando também outras possíveis locações anunciadas por ele.

3. Banque o detetive

Essa é a sua chance de usar suas habilidades de investigação. Por exemplo, pesquise o endereço em aplicativos de GPS, veja se o prédio realmente existe.

Experimente também uma busca reversa no Google. Basta salvar as imagens do local e fazer a pesquisa usando elas e não o endereço escrito. Com isso, você descobre se a locação está anunciada em outros sites, o que pode ser um sinal de que é um falso aluguel.

4. Desconfie dos superdescontos

Quando a esmola é grande... Desconfie quando os valores forem extremamente abaixo do mercado para o padrão da propriedade e reforce ainda mais as medidas de segurança.