Concurso IBGE/Censo 2022: veja dicas de estudo para as provas de recenseador

Concurso IBGE/Censo 2022: veja dicas de estudo para as provas de recenseador

  • Concurso IBGE/Censo 2022: veja dicas de estudo para as provas de recenseador


IBGE vai realizar Censo em 2022 — Foto: IBGE/Acervo

IBGE vai realizar Censo em 2022 — Foto: IBGE/Acervo

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reabriu o aguardado concurso com 206.891 vagas temporárias para a realização do Censo Demográfico 2022. Só para recenseador são 183.021 vagas. Outras 23.870 vagas são para agente censitário. As inscrições terminam no dia 21 de janeiro.

prova objetiva para recenseador, que será aplicada em 10 de abril, será dividida da seguinte forma:

  • 10 questões de Língua Portuguesa
  • 10 questões de Matemática
  • 5 questões sobre Ética no Serviço Público
  • 25 questões de Conhecimentos Técnicos

As questões da prova objetiva serão do tipo múltipla escolha. Será aprovado o candidato que obtiver no mínimo 15 pontos e pelo menos um acerto em cada uma das disciplinas.

Em caso de empate na nota final no processo seletivo simplificado, terá preferência o candidato que, na seguinte ordem:

  • obtiver maior nota na disciplina Conhecimentos Técnicos;
  • obtiver maior nota na disciplina Língua Portuguesa;
  • obtiver maior nota na disciplina Ética no Serviço Público.

Para os especialistas, apesar de a prova para recenseador ter apenas quatro disciplinas, o candidato não deve relaxar, pois a concorrência será grande, devido ao desemprego recorde e pelo fato de o cargo de recenseador exigir o nível fundamental completo.

LEIA TAMBÉM:

Os candidatos que haviam se preparado para o concurso anterior que foi cancelado levam vantagem, pois o conteúdo do edital é o mesmo. No entanto, a banca desse novo concurso, que é a FGV, tem estilo diferente de abordar os assuntos em relação ao Cebraspe, o que requer atenção dos candidatos.

Veja abaixo as dicas de estudo para o concurso.

Dicas gerais

Fernando Bentes, professor de direito constitucional da UFRRJ, aconselha o candidato a estudar todas as matérias ao mesmo tempo.

“Assim, o candidato vai estar sempre relembrando tudo, sem intervalos longos de semanas ou meses entre o aprendizado de cada disciplina”, diz.

Segundo ele, se o candidato se concentrar em aprender uma disciplina de cada vez, haverá um intervalo muito grande no estudo de cada matéria.

Bentes lembra que é preciso seriedade dos estudos. “O grande número de vagas não deve deixar ninguém tranquilo, já que o desemprego deve levar milhões de candidatos a fazerem o concurso”, aponta.

Para Antonio Batist, especialista em gestão pública e empresarial, ler e entender o edital é o primeiro passo – é dele que vêm as decisões seguintes.

Batist recomenda fazer o download do material gratuito de conhecimentos técnicos – que está no link do concurso no site da FGV – e priorizar a disciplina, que corresponde à metade da pontuação da prova.

Outras dicas são estudar a parte teórica dos conteúdos, fazer provas anteriores da banca organizadora, ver onde precisa melhorar após as provas e repetir o ciclo, corrigindo as falhas identificadas em cada conteúdo ou disciplina.

Edital tem a mesma estrutura do anterior, mas FGV tem estilo próprio

Batista lembra que o edital da Fundação Getulio Vargas (FGV) tem praticamente a mesma estrutura do lançado no ano passado pelo Cebraspe, que foi cancelado.

Segundo o especialista em gestão pública e empresarial, o edital tem o mesmo número de questões, variedade de disciplinas, conteúdo programático e critérios de aprovação, mas ele destaca as diferenças entre as bancas:

  • A decoreba, que ajuda candidatos em relação a muitas bancas, pode não ser a melhor estratégia para a FGV.
  • A organizadora costuma investir mais em perguntas bem elaboradas, adapta o conteúdo para situações hipotéticas do órgão/entidade que é “dono” do concurso (o IBGE, neste caso), investe pesado em interpretação de texto, faz enunciados longos e cansativos (nem sempre fáceis), busca aplicabilidade em lugar de leis ou conceitos “secos” e tende a cobrar todos os conteúdos mencionados no edital.
  • Além de considerar o edital, o plano de estudo deve considerar tudo isso, pois é o estilo que a FGV costuma seguir.