Cidade de SP começa a vacinar contra Covid gestantes, puérperas e pessoas com comorbidades de 18 a 30 anos

Cidade de SP começa a vacinar contra Covid gestantes, puérperas e pessoas com comorbidades de 18 a 30 anos

  • Cidade de SP começa a vacinar contra Covid gestantes, puérperas e pessoas com comorbidades de 18 a 30 anos



Gestante recebe vacina contra a Covid-19 — Foto: Indra Mara de Oliveira/Prefeitura de Curitiba

Gestante recebe vacina contra a Covid-19 — Foto: Indra Mara de Oliveira/Prefeitura de Curitiba

A Prefeitura de São Paulo vai começar a vacinar contra a Covid-19 grávidas e puérperas (mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias) acima de 18 anos sem comorbidades nesta segunda-feira (7) . Antes, eram imunizadas somente grávidas e puérperas com doenças preexistentes definidas pelo Plano Nacional de Imunização (PNI).

Além disso, também começam a ser imunizados nesta segunda-feira as pessoas com comorbidades ou com deficiência permanente (beneficiários do BPC) e idade entre 18 a 29 anos na capital. Este píublico é estimado em 550 mil pessoas em todo o estado.

Segundo o prefeito da capital, Ricardo Nunes (MDB), a vacinação de gestantes e puérperas será feita apenas mediante a apresentação de um relatório médico.

"Para essa situação é necessário que a gestante tenha uma indicação médica, que o médico ateste que ela deva tomar essa vacina", disse Nunes.

Capital começa a vacinar todas as grávidas acima de 18 anos na segunda-feira
--:--/--:--

Capital começa a vacinar todas as grávidas acima de 18 anos na segunda-feira

A prescrição médica deve ser apresentada nas unidades de saúde, assim como um comprovante de residência. As gestantes e as puérperas serão imunizadas com doses de Pfizer e CoronaVac, já que a AstraZeneca não é recomendada para o grupo.

Segundo a administração municipal, a estimativa é a de que 100 mil gestantes e puérperas sejam imunizadas na capital.

Além da cidade de São Paulo, os municípios de Campinas e São Bernardo do Campo também iniciam a imunização das gestantes e puérperas sem doenças preexistentes nesta segunda. O restante do estado, segundo anunciou o governador João Doria, vai imunizar este grupo a partir de 10 de junho.

De acordo com a OMS, não há, ainda, nenhuma evidência de que mulheres lactantes ou seus bebês corram risco elevado de covid-19 grave — Foto: Getty Images via BBC

De acordo com a OMS, não há, ainda, nenhuma evidência de que mulheres lactantes ou seus bebês corram risco elevado de covid-19 grave — Foto: Getty Images via BBC