Educadores devem ser segundo grupo a ser vacinado contra a Covid-19, diz governo de SP

Educadores devem ser segundo grupo a ser vacinado contra a Covid-19, diz governo de SP

  • Educadores devem ser segundo grupo a ser vacinado contra a Covid-19, diz governo de SP


Salas de aula vazia nas escolas fechadas desde março, por causa da pandemia. — Foto: TV Globo

Salas de aula vazia nas escolas fechadas desde março, por causa da pandemia. — Foto: TV Globo

O governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira (5) que educadores das redes pública e privada devem ser o segundo grupo a receber a vacina Coronavac contra a Covid-19, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

Segundo o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, a previsão é a de que o terceiro grupo a receber as doses seja formado por pessoas com doenças crônicas.

"Nós entendemos que educadores deverão ser o segundo grupo a ser vacinado. [...] Lógico que os municipais também [além dos funcionários estaduais] serão acolhidos, bem como das redes privadas e, a seguir, portadores de doenças crônicas", afirmou o secretário.

Ainda de acordo com ele, o primeiro grupo a tomar a vacina vai ser formado profissionais de saúde que estão dentro de ambientes com alta circulação do vírus. A previsão é que isso ocorra a partir de 15 de dezembro.

"O que nós temos como rito já definido é a vacinação primeiro dos profissionais da área da saúde, uma vez que eles estão muito dentro dos ambientes nos quais a circulação do vírus é extremamente elevada", disse Gorinchteyn.

Contrato com a Sinovac

Na quarta-feira (30), o governador de São Paulo, João Doria, assinou um contrato com o laboratório chinês Sinovac para o recebimento de 46 milhões de doses da vacina Coronavac.

Na ocasião, o governador anunciou que a vacinação de profissionais de saúde deve ter início em 15 de dezembro.

"O início da vacinação, previsto até aqui para começar no dia 15 de dezembro, em São Paulo, com os profissionais de saúde: médicos, enfermeiros, paramédicos, aqueles que atuam em hospitais públicos e privados e em todas as unidades de saúde, unidades públicas, municipais, estaduais e do governo do estado de São Paulo", disse Doria.

anúncio da parceria com o Sinovac para a produção de uma vacina contra o coronavírus foi feito há mais de três meses, em 11 de junho.

A vacina Coronavac ainda está em testes entre profissionais de saúde brasileiros. Até agora, 7 mil voluntários já participaram da pesquisa, segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. A meta é envolver 13 mil pessoas na pesquisa.

Em relação ao valor pago pelo estado de SP para a Sinovac, Doria disse que o contrato assinado é de US$ 90 milhões. Até dezembro, a farmacêutica vai enviar 6 milhões de doses da vacina já prontas, enquanto outras 40 milhões serão envasadas em São Paulo, segundo o governo.

Governo de SP assina contrato para a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa
--:--/--:--