Saiba como o coronavírus entra no organismo e pode chegar aos pulmões

Saiba como o coronavírus entra no organismo e pode chegar aos pulmões

  • Saiba como o coronavírus entra no organismo e pode chegar aos pulmões


Exame mostra efeitos da Covid-19 causados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) nos pulmões — Foto: Yves Herman/ReutersExame mostra efeitos da Covid-19 causados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) nos pulmões — Foto: Yves Herman/Reuters

Exame mostra efeitos da Covid-19 causados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) nos pulmões — Foto: Yves Herman/Reuters

Nem todos os os casos de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, se manifestam da mesma forma. Para ter consequências mais graves, o vírus Sars-Cov-2 precisa percorrer um longo caminho até chegar ao pulmão, explica o médico pneumologista José Eduardo Afonso Jr., do Hospital Albert Einstein.

A Organização Mundial de Saúde (OMSdeclarou pandemia pelo surto de coronavírus, que até o fim tarde desta terça-feira (17) tinha 291 casos confirmados no Brasil pelo Ministério da Saúde. A primeira morte no país por causa da Covid-19 ocorreu nesta segunda-feira (16) no estado de São Paulo.

Segundo Afonso Jr., o Sars-Cov-2 atua da mesma forma que outros vírus respiratórios, como o da gripe, por exemplo.

A porta de entrada do novo coronavírus no corpo se dá pelas vias aéreas superiores — nariz e garganta, por exemplo. “Então, é comum o paciente manifestar sintomas nesses lugares, como coriza e dor de garganta”, diz o pneumologista ao G1. “E a maior parte dos casos termina por aí.”

É na menor parte dos casos que o coronavírus avança e chega às vias aéreas inferiores: traqueia, brônquios (onde ele pode causar inflamação) e alvéolos. Os alvéolos são pequenas estruturas que compõem o pulmão, e funcionam levando o oxigênio à corrente sanguínea.

“Nos casos graves, que são mais raros, ele causa insuficiência respiratória, por conta do comprometimento dos alvéolos”, diz Afonso Jr. “O vírus age fazendo com que se acumule líquido nos alvéolos, no lugar de ar, e causando insuficiência respiratória.”

O médico completa: "A situação pode variar de quadros mais leves, em que uma pequena parte do pulmão é afetada, até casos mais graves, quando uma grande parte dos dois pulmões fica comprometida".

Ele explica que a resposta médica também varia de acordo com a gravidade, podendo exigir um cateter ou até ventilação mecânica.